sexta-feira, 12 de maio de 2017

A História da professora AFONSINA - I -



NAVIO "GAIOLA"


Atendendo a alguns pedidos de amigos e parentes, volto a publicar neste espaço,
descrevendo da maneira mais fiel possível, a história da vida da minha mãe,
AFONSINA ELINDA ARAGÃO DE SOUZA, em sua passagem pela cidade
paraense de Oriximiná, localizada à margem esquerda do Rio Trombetas, contribuinte
importante, com suas límpidas águas, para aumentar o volume, já enorme, do maior
 rio do mundo, o Amazonas.
 Para que os leitores entendam tudo o que aconteceu na vida fecunda desta valorosa,
 heroica  e destemida mulher, é imprescindível começar sua história pela a história
do homem  que viria a ser seu esposo, e que, mercê dos mistérios insondáveis do destino,
a arrancou da tranquilidade em que vivia em Belém, sua terra natal, levando-a para ser
 protagonista importante na história da sua própria vida e na vida da cidade que a acolheu.
Nascido na cidade de Bananeiras, estado da Paraíba ( onde estive, em viagem de cerca
 de uma semana  no ano de 2014, juntamente com meus irmãos CLÉO e CLEISY,
a procura de seus parentes ), o Sr. FRANCISCO MARTINS DE SOUZA, então com 23
 anos de idade, a exemplo de muitos e muitos outros jovens nordestinos, inconformado
 com a falta de oportunidade para crescimento material em sua terra, resolveu procurar
 na região amazônica ( então a Meca dos lugares promissores no País, principalmente
 por conta da enorme valorização da borracha ), melhores condições de vida, demonstrando
 com tal iniciativa, desassombro e destemor na busca por seu ideal.
 Chegando à Belém, resolveu que, imediatamente, navegaria para o Estado do Amazonas,
 a bordo de um dos " vapores " que faziam a linha da capital paraense até Manaus,
 lugar onde viviam os donos de seringais, os famosos " barões da borracha ", assim chamados
 porque, afirmam, chegavam a acender charutos caríssimos com notas de contos de reis!
 As viagens, subindo o rio, demoravam até 20 dias para chegar ao destino.
 É que as caldeiras, cujo vapor gerava a força motora para impulsionar os navios,
necessitavam de muita lenha, que era recolhida em diversos pontos do percurso e, quando não
 havia uma quantidade suficiente para alcançar o próximo ponto de coleta, a espera
era inevitável, enquanto se recolhia a lenha complementar.
Com isto era de se esperar que durante a jornada,  os companheiros de viagem,
mantendo um convívio diuturno, passassem a se conhecer melhor, surgindo entre
alguns deles, não raro, um sentimento de simpatia e amizade. Foi exatamente o
que aconteceu entre o jovem FRANCISCO e um outro viajante, bem mais maduro,
que se chamava JOSÉ CLEMENTINO DE FIGUEIREDO...                                        
                                                                       
                                                                   
Continua na próxima sexta-feira.

Bom fds a tds.

Nenhum comentário: